Carrinho 0

O que é exterogestação?

cuidados com bebê gravidez

Você sabia que, para o bebê, a gestação pode durar mais que 9 meses? Mais precisamente, 100 dias após o nascimento? Essa ideia é proveniente da teoria da exterogestação, criada pelo antropólogo Ashley Montagu. Quer saber mais sobre esse assunto? Continue com a leitura!

Exterogestação: o que é e de onde essa ideia surgiu?

O termo exterogestação se refere a gestar o bebê fora do útero. Isso significa utilizar de técnicas para reproduzir o ambiente uterino e trazer maior conforto ao bebê nos primeiros meses de vida.

Essa ideia surgiu após observações de Montagu, que comparou os humanos a outros mamíferos, evidenciando o quanto somos mais dependentes para sobrevivência do que esses outros seres.

Além disso, Ashley Montagu ainda destacou o fato de as gestações humanas ficarem mais curtas com a evolução, sugerindo a necessidade de um tempo a mais de “gestação” fora do útero.

Vantagens da exterogestação

o que é exterogestação?

A exterogestação é uma maneira confortável e mais tranquila de transição da gravidez para a vida fora do útero, tanto para os bebês como para os pais. Reproduzir o ambiente uterino pode trazer maior calma para o pequeno nos momentos de cólicas e também fazer com que o bebê se sinta mais sossegado e acolhido.

Sabemos que um bebê mais feliz é sinônimo de papais também felizes, por isso, a exterogestação traz inúmeras vantagens para os pais, como maior tranquilidade para lidar com o recém-nascido nesses primeiros meses de vida e a melhora da conexão entre pais e filho.

Como reproduzir o ambiente uterino?

Agora que você já sabe que a exterogestação é um momento importante, é necessário aprender como deixar o ambiente externo mais parecido com o útero. Para isso, veja algumas dicas!

Alimente o bebê em livre demanda

Dê o seio sempre que o pequeno demonstrar necessidade. Lembre-se que no útero o bebê se alimentava em livre demanda.

Além disso, nem sempre o bebê precisa se alimentar, mas sim realizar uma sucção não nutritiva para se acalmar ou se sentir mais perto da mamãe. Sendo assim, ofereça o seio quando a criança demonstrar sinais de desconforto, mesmo que não seja fome.

Utilize o sling ou embrulhe o seu bebê

O bebê esteve nove meses em contato direto com a mamãe, por isso, nada melhor que o sling para manter os dois juntinhos novamente, mesmo fora do útero. Com o sling o pequeno pode ouvir os batimentos cardíacos da mãe, sentir seu cheiro e ainda ter o seio bem pertinho, sempre que precisar.

Ademais, o sling é um aliado para a mamãe que precisa realizar outras atividades, já que as mãos ficam livres para essas tarefas.

Ao dormir ou quando precisar colocar o bebê em algum local, mantenha-o embrulhadinho. Dessa forma, o pequeno se sentirá mais acolhido e confortável.

Use ruídos brancos

Há diversos aplicativos que imitam o som do útero e devem ser usados sempre que a mamãe sentir necessidade de acalmar o bebê ou colocá-lo para dormir. Esses sons costumam abafar outros ruídos que podem hiperestimular a criança e trazer algum desconforto.

Dê banhos em ofurôs específicos para bebês

Banhos mornos em ofurôs são ótimas imitações do útero e podem ser bem relaxantes para os pequenos nos primeiros meses de vida.

Esteja atento às sonecas

As sonecas são muito importantes durante os primeiros anos de vida do bebê. Quando são recém-nascidos, os pequenos precisam de mais horas de sono para descansarem. Um bebê descansado será mais tranquilo, menos choroso e irritado.

A exterogestação pode te ajudar a ter uma conexão mais eficiente com seu pequeno e ainda fazer uma transição mais tranquila entre o útero e o ambiente exterior. Por isso, siga as nossas dicas, curta bastante esse momento com o seu bebê e fortaleça esse vínculo que será para a vida toda.

Texto: Andreza Almeida, bióloga, redatora e educadora perinatal

Foto:  Pvproductions / Freepik

Veja outras dicas sobre gravidez e cuidados com bebê no Blog da Baby Pima:



Postagem anterior Postagem seguinte


Deixe um comentário

Observe que os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados